Imprimir

Prefeito entrega novas motos para Guarda Municipal fiscalizar o trânsito

em Sexta, 23 Fevereiro 2018 18:04. Postado em Notícias

O prefeito Rafael Greca entregou nesta sexta-feira (23/2), no Parque Tanguá, as 26 novas motos para utilização da Guarda Municipal. São 20 motos para substituir as antigas - a troca desses veículos não ocorria desde o ano de 2012 - e mais seis para aumentar a frota.

“As motos vão dar maior mobilidade aos guardas e, assim, melhoramos ainda mais nossa Curitiba, que tem anseio por mais segurança. Quero que o policiamento nas praças centrais e nos calçadões seja feito com o auxílio das motocicletas”, afirmou o prefeito.

Com as motos, a Guarda Municipal inclui, entre as suas atribuições, a de fiscalizar o trânsito. Para isto, 205 guardas já passaram por capacitação e agora podem fazer a fiscalização, incluída nas demais atividades do dia a dia do profissional, como patrulhamento preventivo. “Esse trabalho começa a partir de hoje”, informou o secretário municipal da Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel.

Os guardas estão habilitados a fazer notificações de trânsito, como de estacionamento irregular, principalmente naqueles locais em que a Guarda Municipal já está presente (parques, bosques, escolas e eventos), além de apoio eventual a operações da Superintendência de Trânsito (Setran).

Participaram da solenidade da entrega das motos o diretor-geral da Guarda Municipal, Odgar Nunes Cardoso; a superintendente de Trânsito, Rosangela Battistella; os vereadores Osias Moraes, Oscalino do Povo e Mauro Ignácio; a administradora da Regional Boa Vista, Janaína Lopes Gehr.

Trabalho com motos

O Grupo Tático de Motos da Guarda Municipal de Curitiba atua desde outubro de 2010 e permite maior alcance dos locais de policiamento, mobilidade, flexibilidade e redução no tempo de resposta, do seu acionamento até chegada ao local da ocorrência.

Pedro Ribas/SMCS

 

 

 

Imprimir

Região do Guadalupe tem operação contra tráfico de drogas

em Sexta, 23 Fevereiro 2018 17:50. Postado em Notícias

Reprimir o tráfico de drogas, os crimes de roubo em ônibus e o favorecimento à prostituição foram os objetivos de operação conjunta deflagrada pela Secretaria Municipal da Defesa Social e a Polícia Militar na tarde desta quinta-feira (22/2) na região do Terminal Guadalupe e da Praça Eufrásio Correia.

Estabelecimentos como lanchonetes e hotéis de alta rotatividade foram fiscalizados por equipes da Guarda Municipal e da Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu), coordenada pela PM. “A ação faz parte de uma série planejada para um Centro mais seguro para a população de Curitiba”, afirmou o secretário municipal da Defesa Social, Guilherme Rangel.

Com o apoio de efetivo do Grupo de Operações Especiais (GOE) e do Grupo de Operações com Cães (GOC), ambos da Guarda Municipal, e do 12º Batalhão da PM, foram feitas abordagens em todo o perímetro. Em meio às buscas, os policiais e guardas municipais encontraram maconha escondida dentro de uma placa comercial e no interior de uma boate, com auxílio dos cães do GOC.

Também foram apreendidas pequenas quantidades de maconha e crack em hotéis de alta rotatividade e uma arma de airsoft - jogo de simulações de operações policiais com projéteis não letais. Uma pessoa foi detida em uma lanchonete por porte de drogas e outra por desobediência. Ambas foram encaminhadas para o 12º Batalhão da Polícia Militar.

“Em parceria com as forças policiais, estamos monitorando toda a região central, mostrando a presença do poder público em praças, parques, terminais de ônibus e ruas com grande circulação de pessoas, além de identificar suspeitos da prática dos mais variados crimes, principalmente tráfico de drogas, furtos e roubos”, reforçou Rangel.

Da operação também participaram outros órgãos na vistoria dos estabelecimentos, como Superintendência de Trânsito (Setran), Secretaria Municipal do Urbanismo, Vigilância Sanitária e Corpo de Bombeiros, todos integrantes da Aifu. Uma churrasqueira elétrica utilizada para vender espetinhos - atividade não regulamentada - foi apreendida pelas equipes. “Os pontos onde ocorrem as ações são definidos previamente com base nas denúncias recebidas por meio dos telefones de emergência 190 e 181”, explicou o coordenador da Aifu, major Olavo Vianei Francischett Nunes.

Na última semana, outra operação integrada, nos mesmos moldes, aconteceu nas praças Tiradentes e Rui Barbosa. “Outras ações ostensivas estão programadas e ocorrerão na sequência”, adiantou o secretário Rangel.

 

Levy Ferreira/SMCS

Levy Ferreira/SMCS

Levy Ferreira/SMCS

 

 

 

Imprimir

Ações educativas passam por todas as regionais até 5 de março

em Quinta, 22 Fevereiro 2018 21:35. Postado em Notícias

Matriz, Bairro Novo e Boa Vista foram as três primeiras regionais da cidade a receberem as atividades educativas de volta às aulas organizadas pelo Grupo Trânsito Seguro, nesta semana. Dicas simples, como a forma correta de parar o carro ao deixar ou buscar os filhos na escola, sobre a importância do respeito ao limite de velocidade e cuidados de segurança com as crianças são reforçadas aos pais e responsáveis, com a entrega de material informativo.

Reinaldo de Lara, tio de dois estudantes da Escola Municipal Eny Caldeira, no bairro Bacacheri, aprovou a iniciativa do poder público. “Criança é muito imprevisível, pode sair correndo. Então é importantíssimo saber a forma correta de segurá-los ao atravessar a rua”, opina ele.

Lara também salientou o comportamento de alguns pais na hora de estacionar o carro. “Os pais não precisam pegar a criança na porta do colégio, eles podem estacionar meia quadra ou uma quadra depois, obedecendo as placas sobre o local de estacionar e, ainda, aproveitar e fazer uma caminhadinha”, diz.

Ao buscar a filha na escola, Georgia Pereira foi uma das mães que conversou com os profissionais que promoveram a ação educativa. “Eu venho de carro, então essas orientações são muito válidas, como saber que a rua tem trecho exclusivo para embarque e desembarque de vans e ônibus escolares”, comenta.

Na manhã desta quinta-feira (22), as abordagens a pais e responsáveis em frente à Eny Caldeira foram acompanhadas pelos secretários municipais da Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel, e da Educação, Maria Silvia Bacila, além da superintendente de Trânsito, Rosangela Battistella.

“A educação para o trânsito é repassada às nossas crianças no interior das escolas e é necessário que se expanda às famílias, quando elas vêm buscar seus filhos”, afirma a secretária da Educação.

Organizar o fluxo geral - de pedestres, funcionários de escolas, veículos de passeio e de transporte coletivo de estudantes - é um dos principais focos das equipes que atuam na organização do trânsito, conforme destaca o secretário da Defesa Social e Trânsito. “Nosso objetivo é garantir a segurança a todos os atores no trânsito e, para isso, precisamos da colaboração da comunidade. Por isso fazemos questão de vir e fazer essas orientações”, comenta Rangel.

A conversa com todos os envolvidos no trânsito é fundamental para garantir a harmonia entre todos e melhorar o fluxo, como destaca a superintendente. “Essas abordagens educativas são importantes para que eles tenham essa consciência de parar pelo tempo estritamente necessário para embarque e desembarque das crianças e, assim, poder dar a vez para outras vans e outros pais”, indica Rosangela.

A superintendente de Trânsito reforça que obedecer o limite de velocidade - de 30 km/h - vale para todos os veículos que passam por ruas com instituições de ensino, não apenas para quem vai até a escola ou colégio. “Em uma área escolar, a qualquer momento pode atravessar um aluno, então precisamos de motorista conscientes que realmente reduzam a velocidade, de forma a tornar o trânsito mais seguro”, acrescenta ela.

Também participaram das abordagens educativas desta quinta-feira o diretor de Fiscalização da Setran, Claudionor Agibert, e o diretor da Escola Pública de Trânsito (EPTran) de Curitiba, Ricardo Klinger.

Grupo Trânsito Seguro

O Grupo Trânsito Seguro reúne representantes da Superintendência de Trânsito (Setran), polícias Militar e Rodoviária Federal, Detran Paraná, Observatório Nacional de Segurança Viária e outros parceiros da sociedade civil organizada.

Programadas para as primeiras semanas de aulas, as atividades de conscientização vão até 5 de março. Além das abordagens educativas próximas de escolas municipais, em todas as regiões da cidade, estão ocorrendo palestras com alunos de colégios estaduais.

Nesta sexta-feira (23/2), as ações serão na Regional Boqueirão, seguida por Cajuru (segunda, 26/2); CIC (terça, 27/2); Portão (quarta, 28/2); Pinheirinho (quinta, 1º/3); Santa Felicidade (sexta, 2/3) e Tatuquara (segunda 5/3).

Luiz Costa/SMCS

Luiz Costa/SMCS

Imprimir

Manutenção e cuidados diminuem chances de acidentes no imóvel

em Quarta, 21 Fevereiro 2018 17:33. Postado em Notícias

Três de cada dez imóveis inspecionados a cada dia pela Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) apresentam problemas estruturais, que tornam esses locais mais vulneráveis a estragos provocados pela intensidade da chuva e do vento.

A informação é do coordenador técnico do órgão, engenheiro civil Marcelo Alexandre Solera, que nesta quinta-feira (22/2) falará sobre o assunto durante a segunda capacitação oferecida na gestão Rafael Greca sobre gerenciamento em proteção e defesa civil. O evento, voltado para agentes que atuam na Defesa Civil, está acontecendo desde segunda-feira (19/2) no Centro de Formação e Desenvolvimento Profissional da Guarda Municipal, na Cidade Industrial.

Alguns exemplos desses problemas são decorrentes da forma como os imóveis são construídos ou da falta de conservação. “Nada desses problemas aconteceria se cuidados básicos fossem tomados pelos proprietários de casas e apartamentos, como estar em dia com a manutenção dos imóveis e só executar obras novas ou reformas com a supervisão de profissionais habilitados”, diz o especialista. Ele observa que, em períodos de chuva intensa, constante e acompanhada de vento, o risco de desabamento cresce, colocando vidas e imóveis em risco.

Olhar atento

Segundo o engenheiro, é imprescindível estar atento ao que ele chama de sinais de risco estrutural – na prática, pistas de que partes da estrutura das edificações estão comprometidas. Entre elas estão rachaduras, trincas ou fissuras, inclinação de muros ou paredes e corrosão da armadura de concreto que sustenta pilares e vigas. “É como se uma edificação fosse o corpo humano e a estrutura de concreto armado, os seus ossos. Se os ossos (estrutura) não estiverem fortes, não podem sustentar o corpo (edificação)”, compara.

A solução ideal é observar constantemente o interior e o exterior do imóvel e fazer reparos quando o desgaste aparecer em paredes, lajes e muros de divisa (que separam ambientes) ou arrimo (para sustentar taludes, que são paredões de terra resultantes da escavação de terrenos inclinados). Ao primeiro sinal de corrosão do concreto, o caminho é corrigir a falha. Se ela for mais profunda e tiver atingido a estrutura de aço, o jeito é substituir a parte afetada. Só então deve ser feita nova concretagem. “A corrosão reduz muito a resistência do aço e precisa ser combatida porque a chuva e o vento aumentam as chances de desabamentos”, explica Solera.

Além do mau tempo

Com o passar dos anos, outros tipos de desgastes são inevitáveis e podem representar riscos para os usuários dos imóveis. “Há instalações não visíveis em sua totalidade, como as de água e luz, que sempre darão sinal quando tiverem vazamentos e quedas de tensão. É a deixa para fazer os reparos antes que o problema se agrave”, diz Solera.

O risco é maior com mangueiras de gás e registros (dispositivos que liberam e bloqueiam a passagem do produto). Isso acontece porque a identificação dos vazamentos é feita quando o odor típico do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) é liberado. “É preciso providenciar a substituição desses componentes dentro do prazo e fazer a manutenção de aquecedores e centrais de gás de acordo com a orientação do fabricante, antes de começar a sentir o cheiro. Do contrário, pode ser tarde para prevenir uma tragédia”, alerta.

 

Divulgação/SMDS

Divulgação/SMDS

Divulgação/SMDS